Ninguém morre na véspera

Certa vez, voltando do trabalho (após, claro, ter trabalho além do devido e do previsto, entre necessidades e leis, para resolver "urgências") me peguei pensando que deveria ter entrado em contato com uma pessoa de forma "urgente". Numa fração de segundos eu já havia decidido como faria: uma mensagem no Facebook pelo celular, o instrumento … Continue lendo Ninguém morre na véspera